Acoes Provocativas

janeiro 28, 2004

Enclaves no Carnaval revolução



-> Technorati Tags: , , , ,





janeiro 26, 2004

Nomes múltimos

Seja também Timóteo Pinto ou peça pra que Timóteo Pinto seja você. Entre em contato com você amanhã.





janeiro 22, 2004

Joaojose no Devianart.com





janeiro 15, 2004

Piloto gringo





janeiro 08, 2004

Novo livro do Wu Ming

"New Thing è il romanzo di Wu Ming 1 in corso di stesura.
Brooklyn, primavera 1967. Alcuni musicisti dell'avanguardia jazz vengono
uccisi in circostanze mai chiarite del tutto. La vox populi crea e diffonde
la leggenda (o la storia vera?) del “Figlio di Whiteman”. Esiste davvero? E
se sì, è un serial killer o un agente del Cointelpro (la sezione dell'FBI
responsabile della strategia della tensione contro il Black Panther Party e
gli altri movimenti neri)?
Quasi quarant'anni dopo, una pletora di personaggi - intervistati non si sa
bene da chi - raccontano, tra mille divagazioni, la storia del "Figlio di
Whiteman", di Sonia Langmut (giovane critica musicale che si trasforma in
cronista di nera e indaga sugli omicidi), del Black Power e del nuovo jazz
di Albert Ayler, Archie Shepp, Pharoah Sanders e del nume tutelare di tutti
loro, quel John Coltrane che nei giorni degli omicidi sta morendo di cancro
al fegato e conduce un durissimo monologo interiore, di riepilogo di tutta
la sua vita. Green Man, Rowdy-Dow, il Professore, Thumbtack,
Let's-Play-a-Game, Julia Mey... Sono i nomi di alcuni degli intervistati."
www.wumingfoundation.com





janeiro 06, 2004

Campanha contra a publicidde


Guerrilha antipublicidade invade Metrô em Paris





janeiro 05, 2004

sobre a linguagem inclusiva e sexismo

texto publicado nos termos da Anti Licenca Cypher Punk
A linguagem é inocente?

# A linguagem reflete padrões de interação social. Mais do que isso: a linguagem não só reflete como também participa na manutenção e reprodução de certas idéias e práticas culturais.

# A noção de que há conexões entre a linguagem e a configuração da sociedade não é nova. Sabe-se que a linguagem reflete, produz, amplia e limita nossas formas de pensar. O controle sobre a linguagem é também de certa forma um controle sobre as mentalidades. Um exemplo desse poder está no livro 1984, de George Orwell, em que é narrada a tentativa do governo totalitário de mudar a linguagem para evitar que as pessoas tenham pensamentos politicamente perigosos.

# A linguagem pode contribuir para a manutenção de certas desigualdades. Uma linguagem sexista certamente contribui para uma sociedade sexista.


O masculino genérico “neutro” é neutro mesmo?

# Existem vários pares de opostos (leão/leoa, cachorro/cadela), mas um termo do par geralmente funciona como um termo mais “neutro”. Usamos “cachorro” para nos referimos a cachorros machos, mas também é um termo geral para o cachorro cujo sexo não foi especificado. Cadela, no entanto, se refere exclusivamente à fêmea. Esses termos neutros são referidos
semanticamente como não-marcados, enquanto cadela e leoa são semanticamente marcados.

# A forma não-marcada homem pode se referir a homens ou a seres humanos no geral. A forma marcada é restrita às mulheres.

# Os argumentos feministas para essas expressões são de que as mulheres são efetivamente escondidas atrás da terminologia “genérica” e também que “homem” não é uma terminologia realmente genérica. Existe uma tendência a se pensar, realmente, nos homens. A neutralidade da categoria é duvidosa. Ao promover o uso do masculino e o desuso do feminino, claramente se apóia e se dá visibilidade e primazia para os homens.

# Podemos igualar a visibilidade entre homens e mulheres substituindo expressões como “homens” por “pessoas” ou “seres humanos”.

# E as expressões como “os estudantes”, “os ativistas” podem ser modificadas, usando-se os dois gêneros, usando-se @, ou mesmo formas mais criativas... “os/as estudantes”, “@s ativistas”...

# A quem interessa certas regras gramaticais? Por quem foram criadas?

# Que tipo de vocabulário e de moralidade você quer continuar produzindo? Lembre-se: você não só é usuário da língua, como também a produz!

Linguagem menos reacionária para pensamentos mais livres!